Poesias

Nesta página coloco algumas poesias que fiz com inspiração da espiritualidade.
Ofereço a você que está a ler.










Produzindo mais...em breve!!!




Vídeo produzido por amigos do Maranhão para encerrar um evento espírita de Arte

Poesia Humilde Artista.












Poesia: Qualquer um

Qualquer um não era má pessoa
Sempre na rua auxiliava a muitos, tinha fé boa
Só que do mais importante ele esquecia
Sua família, seu lar, sem ele padecia.

Era religioso e vivia para suas atividades
E sempre dizia: O resto são amenidades
A mulher o cobrava: - Marido! A família precisa de você
Hoje não dá, estou atrasado, preciso correr

De segunda a sexta sabe que vou ao centro
Sou homem de responsabilidades
Sábado e domingo tenho várias atividades
Todos me esperam, sempre tem um evento.

Marido, e amanhã? Nossa casa está um escarcéu
Não tenho tempo, procure um marido de aluguel
Seu filho pedia: - Papai, vamos passear?
Não posso, tenho que trabalhar.

E assim prosseguia, Qualquer um, sempre ocupado
Preenchia com o trabalho e o centro todo seu tempo
E sua mulher, filhos e lar relegados
Sua ausência para a família era um tormento.

E de tanto trabalho um dia Qualquer um desencarnou
Após o inconsciente, de repente ele acordou
Procurou logo o Céu, mas algo foi para ele surpreendente
Um lugar escuro, fumacento e com muito ranger de dentes.

Ele não acreditava no que via,
E logo para seu mentor ele rezou
Após um tempo em um clarão de luz ele chegou
- Qualquer um o que foi? Não era bem o que você previa?

O que faço aqui neste lugar?
Deve haver um engano, e começou a resmungar
O mentor tudo ouviu e com um sorriso
Esclareceu Qualquer um, do motivo.

Você realmente a muita gente ajudou
E nisso você tem créditos, mas em um campo você fracassou
Sua maior missão você deixou de lado
O lar e a família são nosso maior legado.

Mas como disse nosso querido Chico
Ninguém pode voltar atrás e fazer um novo começo
Mas qualquer um pode começar agora e fazer um novo fim
É a lei da reencarnação, invertendo os papeis dos afins.

Reencarnarás novamente para outro recomeço.
Mas agora o papel será invertido
Para resgatar seu tropeço

Serás o filho e não mais o marido.
E assim qualquer um pode aprender a lição
Que o lar é nossa maior instituição.


Cleiton Freitas





+++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

Como Declamar uma Poesia


Achei muito boa as dicas para declamar de Liliana de Carvalho



A MENSAGEM DEVE FALAR AO SEU CORAÇÃO: Minha primeira dica, aquela que eu considero mais importante, evite declamar uma poesia que não tenha falado ao seu coração. Antes de você tentar comunicar uma mensagem para outras pessoas, ela deve ser interiorizada em sua alma. É impossível transmitir com verdade algo que você não acredita. Como falar ao outro se você mesmo não se convenceu daquela mensagem?
TEMA PROPÍCIO PARA A OCASIÃO: Uma outra preocupação que o declamador precisa ter ao escolher uma poesia é se o tema é propicio para aquela ocasião. Se o momento é de comemoração de aniversário, escolha os temas que falam de vida, de celebração, de gratidão. Se for uma homenagem a uma pessoa, veja se a mensagem corresponde a realidade do homenageado. Um exemplo de um erro: homenagear alguém que não teve filhos ou não casou, com uma poesia que fale das bênçãos dos filhos, netos, cônjuges, etc.
COMPREENDER A MENSAGEM: Este é um cuidado que o declamador deve ter, antes mesmo de decorar o poema. É necessário compreender o que significa cada termo que lhe seja desconhecido. Faça também uma boa leitura de todo texto, verifique as pontuações e faça todas as pausas necessárias. A memorização deve ser feita corretamente, para que o sentido das frases não seja quebrado ou fique sem expressão. Posteriormente daremos dicas de memorização.
DECORAR OU NÃO O TEXTO: Decore todo o texto e tenha certeza de que ele ficou gravado em sua memória. Caso você não tenha conseguido decorar, leve a poesia escrita e coloque-a sobre o púlpito ou estante. É melhor uma bela e boa leitura, do que o esquecimento e a mensagem ficar incompleta por falha da memória na hora da declamação.
O FUNDO MUSICAL: Se for possível, escolha um bom fundo musical. Pode ser blay back ou um instrumento como piano, órgão, vilão. Tenha cuidado com a seleção da música, para que sua mensagem esteja em sintonia com o tema do poema. Por exemplo: se a poesia for festiva, o fundo musical não deve ser sombrio.
O AUTOR DA POESIA: Este nunca deve ser esquecido. A quem honra, honra. A menos que ele seja desconhecido, o nome do autor deve ser o primeiro a ser citado, vindo depois o título da poesia e só então a declamação. Entretanto, não cite o autor e nome da poesia como se estive declamando.
Exemplos:
1. De Myrtes Mathias, MENINA SEM NOME.
Magrinha, sem nome, vestida de trapos, lá vai pela rua……
2. De Mário  Barreto França, MORREREI ESTA NOITE.
A imprensa anunciou irada e com alarde, mais um crime de morte…..
ADAPTAÇÕES POSSÍVEIS OU NÃO: É possível fazer algumas adaptações sem ferir a obra do autor. Como por exemplo, os gêneros das palavras, do feminino para o masculino, e vice-versa. Veja abaixo a parte final da poesia de Myrtes Mathias, Caminhos da Vida:
TEXTO ORIGINAL:
Forasteiro, estrangeiro, em busca da Pátria, cantando a canção que o mundo não entende, prossigo subindo o caminho estreito….
EU SEMPRE DECLAMEI MUDANDO PARA O GÊNERO FEMININO: Forasteira, estrangeira, em busca da Pátria, cantando a canção que o mundo não entende, prossigo subindo o caminho estreito….
Contudo na Poesia, também de Myrtes, ASSIM CANTARIA BARRABÁS, eu nunca mudei o gênero, pois estou contando a possível história deste homem. Não sou eu quem descreve a narrativa, e sim o próprio Barrabás. Assim, o declamador faz o personagem.
Não há necessidade de comunicar ao público estas mudanças.
NARRATIVAS: Eu sempre fui convidada para fazer narração em cantadas, programas e cultos. Por vezes, nas narrações as adaptações são necessárias. Fiz a narrativa de um musical infantil que cantava as histórias da bíblia. Além de ser a narradora, fui a autora do texto. Como grande parte havia citação de textos bíblicos, onde Deus falava ao seu povo, eu precisei usar uma mudança de tom na voz, para que o publico percebesse a diferença entre a Liliana e a pessoa de Deus.
POESIAS COM PALAVRAS DE VOCABULÁRIO ANTIGO: Muitas poesias têm palavras desconhecidas do nosso vocabulário. Não adianta falar um poema que o publico não seja capaz de entender. Eu Liliana, prefiro trocar por palavras sinônimas. Exemplo: Urze = Flores coloridas, arbustos silvestres.
A INTERPRETAÇÃO: Cada um tem o seu estilo. Contudo, é bom observar os gestos que devem coadunar com a fala e nem deve ser exagerado e nem tão pouco pobre. Gosto de usar bastante o olhar. Alias, não consigo me comunicar sem olhar nos olhos das pessoas. Um declamador, um pregador, precisa se comunicar com seu publico através dos olhos. No jogo do olhar, por vezes uso o artifício de alguns segundos de silêncio. Como que convidando o público a uma reflexão sobre o assunto. Uma outra questão na interpretação, que falaremos em outro artigo, é a questão do uso da voz, da entonação. Há declamadores que parecem gritar o tempo todo, como se declamar compreendesse um único estilo: jogar a voz lá em cima e recitar versos em uma mesma cadência.
FINALIZANDO A DECLAMAÇÃO: Não cabe completar nenhuma palavra explicativa do poema, ou qualquer outra coisa quando terminar a declamação. A não ser que a poesia esteja dentro de programação e que a você seja designado terminar este programa ou coisa parecida. Se desejar felicitar alguém, faço-o antes de recitar, para que a mensagem do poema se mantenha viva. Ao finalizar, você pode fazer algum gesto com a mão ou a cabeça. Eu tenho por costume começar com as mãos unidas, citar poeta e tema. Ao terminar, junto novamente as mãos e inclino suavemente a cabeça. As vezes, falo em tom baixo, Amém!

Nenhum comentário:

Postar um comentário